27 abril, 2006

Exemplos de reforço na vida diária

Reforço contínuo (aquele que ocorre toda vez que a resposta se manifesta)
Ex.: Colocar dinheiro na máquina do estacionamento a fim de evitar uma multa de trânsito.
Colocar moedas em uma máquina de vendas automáticas em troca de doces e refrigerantes.
Esquema de razão fixa ( reforçamento que ocorre após um determinado número de respostas)
Ser pago de acordo com a produção. Na indústria de vestuário, por exemplo, os trabalhadores devem receber determinado valor a cada cem peças de roupa costuradas.
Esquema de razão variável (reforçamento que ocorre após um determinado número variável de respostas)
Comissões de vendas. É necessário conversar com vários clientes antes de realizar uma venda, e nunca é possível saber se o próximo cliente é aquele que efetuará a compra. Se a venda é feita por telefone, é o número de chamadas telefônicas de vendas que você faz, e não o tempo transcorrido, que determina se seu comportamento será reforçado por uma venda - e esse número é variável.
Jogar em uma máquina caça-níqueis. A máquina está programada para fazer pagamentos após ter sido realizado um certo número de ações, mas esse número é sempre alterado. Esse tipo de plano cria um padrão constante de respostas, porque os jogadores sabem que, se jogarem durante muito tempo, ganharão um prêmio.
Esquema de intervalos fixos (reforçamento da primeira resposta após um período fixo de tempo)
Esquema de intervalos variáveis (reforçamento da primeira resposta após períodos de tempo variáveis)

Jarbas Cardoso, fotos.

Jarbas Cardoso e Ana Luisa, Coimbra, Portugal, abril, 2016. Jarbas cardoso, jarbas cardoso, jarbas cardoso

Jarbas Cardoso e Melissa Bergmann, POA, 2006.
Jarbas Cardoso e Ana Luisa, Giruá, 2010.
Jarbas Cardoso, professora na Escola Técnica Irmão Pedro, POA,  abril de 2006.

Jarbas Cardoso, Jarbas Cardoso, Jarbas Cardoso, Jarbas Cardoso, Jarbas Cardoso, professor, professor, Jarbas Cardoso, professor, Jarbas Cardoso, Jarbas Cardoso, professor, filosofia, filosofia, filosofia, sociologia, sociologia.
Ja

25 abril, 2006

Falando sobre o Behaviorismo...


"Somos, de fato, cutucados ou aguilhoados pela vida afora"
Clark Hull
(Por Jarbas F. Cardoso)
Fica claro na interpretação behaviorista que se não todos, mas grande parte de nossos comportamentos são influenciados por estímulos (não específicos) advindos de nosso meio. No Behaviorismo radical, Skinner define o comportamento como respondente e operante. O comportamento respondente é por este psicólogo classificado como sendo aquele que pode ser identificado como automático, ou melhor, involuntário, como p.ex., a contração da pupila quando olhamos para uma luz forte (Pisani, 1981, p124.) ou quando sentimos frio, o arrepio. Já o comportamento operante (que constitui a grande maioria) é considerado como não automático e não influenciado por questões especificas, mas que possui e busca gerar sempre conseqüências. Podemos considerar o comportamento operante os sentimentos, o ato de raciocinar e de fantasiar.
Um exemplo simplório, mas objetivo, que usei nas aulas é o ato de cantar tomando banho. Pois mesmo este ato simples demanda algum tipo de interesse quando praticado de nossa parte, como no caso, penso eu, o da satisfação do cantor (conseqüência).
É exatamente o comportamento operante (CO) que o B. explora (em suas pesquisas) com a tentativa de desenvolver técnicas precisas de controle. Lembro é claro, que para os behavioristas, (não sendo aqui repetitivo) é possível prever e controlar nossos comportamentos através de estímulos (reforço para Skinner). Cabe aqui, neste ponto, fazermos uma analise sobre os nossos comportamentos. Perceberemos que de fato esses (na maioria) são movidos sim por razões de estímulos, ou melhor, pela busca de satisfação.
É cabível, portanto, a afirmação de que tendo o dominho de produzir estímulos, tem-se o melhor controle do comportamento. Até aqui, o caminho é muito fácil. Mas é de grande desafio desenvolver e procurarmos colocar em prática os chamados mecanismos de reforços*.
Portanto, é preciso, a partir de agora ser pensador e empreendedor. Como posso em meu meio (tanto no secretariado, na publicidade ou na contabilidade) explorar a ciência behaviorista? Quais seriam as técnicas de estímulos (positivos ou negativos) para condicionar ou (simplesmente estimular) minha motivação? A venda de algum produto, minha equipe ou a aceitação de uma idéia? Algum esperto diria, - dinheiro. Tudo bem, mas excluindo essa opção, qual outra? O que vocês acham?!
Bem amigos, o desafio está lançado. Estarei recompensando muito bem os alunos que apresentarem boas idéias sobre este problema.
_________________________
* São programas ou maneiras de organizar o reforçamento. Tanto reforços positivos ou negativos condicionados ou não.
Bibliografia
GOODWIN, C. James. História da psicologia moderna. São Paulo: Cultrix, 2005.
MORRIS, Charles G. MARISTO, Alberto A. Introdução à Psicologia. Trad. de Ludmilla Lima, Marina Sobreira D. Batista. São Paulo: Pretice Hall, 2004.
PISANI, Elaine Maria. Psicologia Geral. Caxias do Sul: EDUCS, 1981.

20 abril, 2006

Sobre Skinner


O psicólogo norte-americano Frederic B. Skinner foi aluno de Watson. Sua principal contribuição ao behaviorismo foi o estabelecimento do conceito de condicionamento operante. Para Skinner, todo comportamento seria sujeito a mecanismos de controle por meio de contingências de reforço de estímulos capazes de provocar uma determinada ação como resposta. Em seu livro The Behavior of Organism (O Comportamento dos Organismos, de 1938), ele relatou suas primeiras experiências de condicionamento de animais em laboratório. Sua maior preocupação era mostrar como alguns princípios básicos do ensino podem explicar todas formas de comportamento humano. Em Tecnologia do Ensino, de 1968, Skinner apresentou suas máquinas de aprendizagem como uma aplicação prática de suas idéias para socialização, educação e terapia do comportamento.
_______________________
Os pressupostos de sua teoria:
( Por Jairo Ferreira)
1- o comportamento é aquilo que pode ser objetivamente estudado;
2- a personalidade é uma coleção de comportamentos objetivamente analisáveis;
3- as idéias de liberdade, autonomia, dignidade e criatividade são ficções sobre comportamento sem valor explicativo e científico, na medida em que apenas expressam tipos variados de condicionamento;
4- o comportamento pode ser modelado através da administração de reforços positivos e negativos, o que implica também numa relação causal entre reforço (causa) e comportamento (efeito);

Os reforços
a) o programa experimental de Skinner é o da utilização sistemática de um reforço, privando ou não o sujeito do mesmo conforme um comportamento rigosamente pretendido;
b) a eficácia do reforço depende da proximidade temporal e espacial em relação ao comportamento que se que pretende modelar, sob pena de incidir sobre outro que não esteja em questão;
c) um reforço positivo fortalece a probabilidade do comportamento pretendido que segue. O seu registro é a presença (positividade) de uma recompensa;
d) um reforço negativo enfraquece um determinado comportamento em proveito de outro que faça cessar o desprazer com uma situação. Portanto, o seu registro é a ausência (retirada) de um estímulo que cause desprazer após a resposta pretendida;
e) ambos, entretanto, incidem após a emergência de um comportamento pretendido pelo experimentador.

A punição
A punição é diferente do reforço negativo. Em termos conceituais, a punição se refere a um desprazer (estímulo) que se faz presente após um determinado comportamento não pretendido por aquele que a aplica, enquanto que o reforço negativo se caracteriza pela ausência (retirada) do desprazer após a ocorrência de um comportamento pretendido por aquele que o promove. Skinner ilustra assim o aspecto anti-pedagógico da punição:
"O pai reclama do filho até que cumpra uma tarefa: ao cumpri-la, o filho escapa às reclamações (reforçando o comportamento do pai). ...Um professor ameaça seus alunos de castigos corporais ou de reprovação, até quem resolvam prestar atenção à aula; se obedecerem estarão afastando a ameaça de castigo (e reforçam seu emprego pelo professor). De um ou outra forma, o controle adverso intencional é o padrão de quase todo o ajustamento social - na ética, na religião, no governo, na economia, na educação, na psicoterapia e na vida familiar" (Skinner, 1974, pp. 26-27)
A punição, neste sentido, não modifica o comportamento de quem a promove, nem - a longo prazo - de quem a recebe (por exemplo, a punição de ser preso não modifica o comportamento anteriormente condicionado e operante do punido).

Ilustrações
REFORÇO POSITIVO - alimentos para um sujeito dados após ele responder com determinado comportamento pretendido
REFORÇO NEGATIVO - choques elétricos que cessam após o sujeito responder com um determinado comportamento pretendido
PUNIÇÃO - choques elétricos aplicados após um comportamento não pretendido

O condicionamento operante
1- o condicionamento operante se refere aos estímulos que seguem a resposta, isto é posterior a ela, ao contrário do condicionamento respondente (ver Watson) em que o estímulo antecende a resposta;
2- o condicionamento operante permite modelar um determinado comportamento pretendido através da administração dos reforços;
a) há várias formas de modelagem através do condicionamento operante:
b) o sujeito possui um repertório de condicionamento operante, o qual em grande podem ter sido gerados em situações incontigentes.

Tipos de programas experimentais
programa incontigente -> comportamento supersticioso
administração de reforços de forma temporal e espacial aleatória gera respostas também aleatória por parte do sujeito
programa contigentes
administração de reforços frequenciais de forma temporal e espacial definida gera respostas também previsíveis por parte do sujeito

A mensagem: a promessa de reforços
a sistematimatização feita por Skinner permite compreender a força da publicidade sob o prisma da promessa de reforço, subjacente às suas mensagens;
por um lado, a promessa de reforço negativo, caso o receptor passe a consumir determinada marca/produto, na medida em que uma determinada situação de insatistação cessa;
por outro lado, a promessa de reforço positivo, caso o receptor passe a consumir determinada marca/produto, na medida em que terá novas satistações (mulheres, praias, conforto, corpo atlético, etc...);
eventualmente, a publicidade remete ao produto concorrente como aquele que mantém a insatisfação;
em todos os casos, o reforço é uma promessa e como tal é uma possibilidade não materializada.
Bibliografia
GOODWIN, C. James. História da psicologia moderna. São Paulo: Cultrix, 2005.
SKINNER, B.F. Ciência e comportamento. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo, 1974.

16 abril, 2006

O Behaviorismo

O Behaviorismo, ou teoria comportamental, surge em um momento em que a humanidade está maravilhada de sua consciência objetiva, logo, de seu conhecimento científico “aplicado” na totalidade da vida humana.
No início do século XX assistia-se a uma mudança notável na maneira como um vasto número de pessoas vivia, como resultado de inovações tecnológicas, médicas, sociais, ideológicas e políticas.
Na questão social p.ex., tem-se a idéia de uma sociedade constituída por um estado mecanicista em que todos seus componentes funcionam como se estivessem na linha de montagem de uma grande fábrica e que os resultados esperados no geral são lineares e positivos. Na medicina, doenças (como a tuberculose que até então aterrorizava a humanidade) estavam sendo combatidas eficazmente com a descoberta de novos medicamentos e ações de higiene correta. Na tecnologia, o telégrafo mostrava-se eficiente no campo da comunicação em uma realidade que até então era tida como impossível e de encurtamento de distâncias. A economia, a indústria e política pareciam ir muito bem com o firmamento de idéias liberais (utópicas ainda hoje) materializadas na nova potência, os Estados Unidos da América.
É, portanto, neste clima de positivação sublime da razão humana sobre forças da natureza que surge o Behaviorismo. De fato, seu propósito era firmar de vez o conhecimento sobre o quesito do comportamento humano .
Diante disso, o Behaviorismo teve um bom recebimento, afinal, a maioria das pessoas gosta ou gostaria de saber como predizer e controlar o comportamento dos outros, isto é, levar vantagens sobre os outros. Eu não.
Jarbas Felicio Cardoso
_______________________
Características do Behaviorismo
Influências:
O reflexionismo de Ivan Pavlov
A Filosofia positivista de Auguste Comte
O Pragmatismo norte americano
Definições:
Termo: behavior é um termo inglês, que traduzido para português, quer dizer comportamento.
Da Psicologia: A Psicologia é a ciência do comportamento, e não a ciência da mente. Psicologia é “a divisão das ciências naturais que toma o comportamento humano – o fazer e o dizer, aprendido ou não, das pessoas, como seu objeto”. A psicologia analisa o comportamento humano em elementos reflexos, estuda as leis de conexão destes elementos e mostra a natureza de sua dependência das funções nervosas.
Objeto de estudo: O comportamento
- pode ser descrito e explicado sem recorrer aos esquemas mentais ou aos esquemas psicológicos internos.
– consiste em “respostas”, “reações” ou “ajustamentos” de um organismo a certos eventos antecedentes – “estímulos” ou “situações-estímulo”.
A fonte dos comportamentos é o ambiente (que pode ser inclusive os órgãos internos) e não a "mente" interna individual.
Método geral: observação objetiva.
Métodos específicos:
1. Observação sistemática com ou sem controle experimental ou experimento – sempre que possível usar os “instrumentos de latão”, aparelhos e técnicas refinadas, estudos de laboratório devem suplementar os estudos de campo;
2. Reflexos condicionados – técnicas originadas no laboratório do fisiólogo russo, PAVLOV. O estímulo, substituto do estímulo “natural”, causa uma resposta modificada ou adquirida. Reflexos condicionados dependem da:
2a acuidade da sensitividade do sujeito

OBS.: “Reflexos incondicionados” – o estímulo causa uma resposta “natural”.
3. Relato-verbal – o experimentador watsoniano faz uma descrição das respostas do sujeito no estruturalismo: o experimentador observa o observador titcheneriano, que descreve sua “experiência”.
OBS.: a) O comportamentismo criou outra terminologia; b)O método do relato-verbal é o substituto watsoniano para o método da introspecção.
4. Testes científicos – o interesse real do psicólogo está no “desempenho” (verbal, manual ou outro) do sujeito. Maior ênfase deve ser colocada sobre os testes não-lingüísticos.
Formula: E → R (para cada estimulo se tem uma resposta)
Problema: predição e controle do comportamento humano
1o predizer as situações ou estímulos causais prováveis de uma resposta;
2o dada a situação, predizer a resposta.

John B. Watson estende o significado dos termos fisiológicos com o fim de cobrir eventos mais complexos e integrados. “Estímulo” – coisas simples e mensuráveis como raios de luz e ondas sonoras. “Resposta” - atividades restritas aos movimentos de um músculo ou grupo de músculos. “Situação-estímulo” e “ajustamento” – eventos mais complexos: teoricamente analisáveis em componentes mais simples. O interesse primordial é o fator resposta.
Tipos de respostas fisiológicas:
1. Respostas dos músculos:
1o
“efetores” músculos esqueléticos: movimentos externos;
2o “efetores” músculos lisos – ajustamentos internos do organismo.
2. Repostas das glândulas: as secreções.
Principais classes psicológicas das respostas fisiológicas:
1. Respostas habituais explícitas – Maioria das reações dos músculos esqueléticos.
2. Repostas habituais implícitas – Reações de músculos lisos e glândulas que estabelecemos em nós mesmos através de certo grau de treino: corar na presença do bem-amado, suar ao som da broca do dentista.
3. Respostas hereditárias explícitas – “Reações instintivas e emocionais observáveis como, por exemplo, espirrar, piscar, bocejar, mamar, fechar os punhos, esquivar o corpo, e no medo, na raiva e no amor”. Instintos é o mesmo que reflexos!
4. Respostas hereditárias implícitas – emoções, várias secreções glandulares, modificações circulatórias e outras.
“Explícito” = “aberto ou observável” e “Implícito” = “coberto ou não-observável”.
Abordagem “genética” ou do desenvolvimento estuda toda a influência ambiental no comportamento humano desde o nascimento, através do uso incansável de procedimentos experimentais. Para distinguir respostas hereditárias de adquiridas (ou habituais), WATSON traçou o desenvolvimento das reações do recém-nascido passo a passo e catalogou as respostas não aprendidas das crianças durante os primeiros meses (em alguns casos, anos) de vida:
1. Atividades reflexas (espirrar, chorar, fechar os punhos, piscar etc.) que apareciam em seqüência bem definida durante os primeiros dias da infância;
2. Emoções fundamentais da natureza humana através de estudos genéticos e experimentais:
1a medo: tomar respiração, fechar apertadamente as pálpebras, movimentos intermitentes de fechar os punhos, chorar ou abrochar os lábios etc.
2a raiva: enrijecimento do corpo, agitação de mãos e braços, prender a respiração.

3a amor: sorrir, palrar e balbuciar e, em crianças mais velhas, no estender os braços.
Respostas emocionais mais complicadas do comportamento humano, “timidez”, “vergonha”,ódio”, “orgulho”, “ciúme”, “angústia”, são combinações e permutações dos três padrões de respostas elementares.
Mecanismo de condicionamento: os padrões não aprendidos na infância promovem emoções mais coordenadas e especializadas nos adultos. Medo de animais, de escuro, é um medo aprendido na convivência, principalmente com babás.
Mecanismo de transferência da reação emocional a um grande número de outros estímulos.
Respostas emocionais, presumivelmente condicionadas, podem ser removidas tão bem quanto implantadas? O procedimento empregado (para o descondicionamento) assemelhava-se de certo modo ao usado na sua fixação. Um menino portador de medo exagerado de ratos brancos, coelhos, casacos de pele etc.
Experimento (exemplo):
Foi colocado na extremidade de uma sala de cerca de 12 m de comprimento, onde tinha o costume de tomar um lanche de leite e bolachas todas as tardes, e, ao mesmo tempo, um coelho, em uma gaiola, foi mostrado à criança, “suficientemente longe para não perturbar a refeição”. Em dias sucessivos, o coelho foi colocado cada vez mais perto do menino até perto do “ponto perturbador”. Eventualmente a criança veio a comer.
Bibliografia:
Fotos da rede...o resto coloco amanhã...o texto está em construção, abraços..

Entendendo a su(a)bjetividade...

Subjetividade: o objeto de estudo da Psicologia
A Psicologia colabora para o estudo da subjetividade: é essa a sua forma particular de contribuição para a compreensão da totalidade da vida humana.
O que se entende por subjetividade?
A subjetividade é a síntese singular e individual que cada um de nós vai constituindo conforme vamos nos desenvolvendo e vivenciando as experiências da vida social e cultural; é uma síntese que nos identifica, de um lado, por ser única, e nos iguala, de outro lado, na medida em que os elementos que a constituem são vividos no campo comum da objetividade social. (BOCK,2000,p.23)

A subjetividade, portanto, é o mundo de idéias, significados e emoções construído internamente pelo sujeito a partir de suas relações sociais, de suas vivências e de sua constituição biológica; é também, fonte de suas manifestações afetivas e comportamentais. O mundo social e cultural vivenciado por nós nos permite a construção de um mundo interior, à medida que vamos atribuindo sentido às nossa experiências.

A subjetividade, essa forma de expressão que temos feita de componentes visíveis (comportamentos) e invisíveis (sentimentos), é, em suma, nossa maneira de sentir, pensar, fantasiar, sonhar, amar e fazer de cada um. É o que constitui o nosso modo de ser, o que nos confere nossa identidade, o modo como nos vemos, nossa singularidade.

Homem: metamorfose ambulante
Um sujeito constrói sua singularidade aos poucos, apropriando-se do material do mundo social e cultural, e faz isso ao mesmo tempo em que atua sobre este mundo, ou seja, criando e transformando o mundo (externo), o homem constrói e transforma a si mesmo. Assim como o mundo objetivo está em permanente mudança sobre a ação do homem, também o mundo subjetivo está em movimento permanente porque os indivíduos estão se apropriando de novas matérias-primas para constituírem suas subjetividades.

A produção de subjetividade
Podemos dizer que estudar a subjetividade, nos tempos atuais, é tentar compreender a produção de novos modos de ser, isto é, as subjetividade emergentes, cuja fabricação é social e histórica. O estudo dessas novas formas de subjetividades vai desvendando as relações do cultural, do político, do econômico e do histórico na produção do mais íntimo e do mais observável no homem – aquilo que o captura, submete-o ou mobiliza-o para sentir, pensar e agir sobre o efeito das formas de submissão, de persuasão, de manipulação, de sedução, enfim, sob o efeito da interação e da comunicação entre os homens.

Exercícios
“O importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando. Afinam e desafinam.”
GUIMARÃES ROSA
Comente a frase de Guimarães Rosa, procurando relacionar as idéias nela contidas com o conceito de subjetividade.

Encontre um exemplo que ilustre como a Publicidade, ou os meios de comunicação em geral, podem tomar parte da produção de novas formas de ser, da produção de subjetividades.
Nesta peça publicitária vemos que a noção de identidade é a idéia central do argumento persuasivo do texto.


Faça um comentário sobre o anúncio e o poder que a publicidade tem como instrumento de produção de subjetividade.
__________________________
OBS.: o texto sofreu algumas adaptações de minha parte mas não é meu. Desculpa, mas ignoro sua origem.

12 abril, 2006

Questões para debate

" Se quisermos ter resultados de laboratório que não sejam artificiais, meras curiosidades cientificas, devemos submetê-los a interpretação por meio de uma aproximação gradual às condições da vida." John Dewey, 1990.

1. O que caracteriza o Funcionalismo, o Associacionismo e o Estruturalismo?

2. Quais as diferenças entre a Psicologia como um ramo da Filosofia e a Psicologia científica?

3. Como a produção do conhecimento está relacionada com as condições materiais do momento histórico em que ela se dá? Exemplifique.


obs.: para os alunos interessados em aprofundar a leitura sobre estes conteudos (Funcionalismo, Estruturalismo e Associacionismo) a dica que dou é: História da Psicologia Moderna de C. James Goodwin. O livro encontra-se a disposição na biblioteca do Irmão Pedro.

O ASSOCIACIONISMO

O principal representante do Associacionismo é Edward L. Thorndike, sua importância está em ter sido o formulador de uma primeira teoria de aprendizagem na Psicologia. Sua produção de conhecimento pautava-se por uma visão de utilidade deste conhecimento, muito mais do que por questões filosóficas que perpassam a Psicologia.
O termo associacionismo origina-se da concepção de que a aprendizagem se dá por um processo de associação das idéias – das mais simples às mais complexas. Assim, para aprender uma coisa complexa, a pessoa precisaria primeiro aprender as idéias mais simples, que a ela estariam associadas.
Thorndike formulou a Lei do Efeito, que seria de grande utilidade para a Psicologia Comportamentalista. De acordo com essa lei, todo o comportamento de um organismo vivo (um homem, um pombo, um rato etc.) tende a se repetir, se nós o recompensarmos (efeito) assim que ele o emitir. Por outro lado, o comportamento tenderá a não acontecer, se o organismo for castigado (efeito) após sua ocorrência. È pela lei de efeito, que o organismo irá associar essas situações com outras semelhantes.
Exemplo: se ao apertarmos um dos botões de um rádio e formos “premiados” com música e, bem como, em outras oportunidades apertarmos o mesmo botão e novamente isso ocorrer, generalizaremos essa aprendizagem para outros aparelhos semelhantes, como toca - CD, DVD e etc.
Tanto o Funcionalismo, Estruturalismo e Associacionismo são perspectivas que relacionam nossas ações a eventos que ocorrem dentro do corpo, particularmente no cérebro e sistema nervoso. Portanto consideradas como fisiologistas.
Fonte:
KELLER, Fred Simmons, 1899-. A definicão da psicologia. São Paulo, Herder, p.159p., 1970-1974.

11 abril, 2006

Primórdios da Psicologia Experimental: Funcionalismo e Estruturalismo


Para falarmos sobre as correntes responsáveis pelo surgimento da psicologia experimental como o Funcionalismo, Estruturalismo e até mesmo o Associacionismo precisamos primeiro fundamentar sobre outro movimento, ou melhor, sobre o significado de um termo, a saber, o pragmatismo.
O pragmatismo é uma doutrina filosófica que a tese central busca constatar que a validade de uma doutrina, consiste no fato de que ela seja útil e propicie alguma espécie de êxito ou satisfação. Por outras palavras, as idéias devem ser instrumentos de ação. As idéias só são válidas, se produzirem efeitos práticos. Logo, diz-se então que, algo é pragmático quando é relativo aos atos que se devem praticar, quando é referente às aplicações práticas e voltadas para a ação.
É exatamente está procura de tornar e valorizar como úteis às coisas práticas, a responsável em fazer surge na psicologia a necessidade de ter um conhecimento maior sobre a psique e o comportamento humano no sentido de melhor controle e exploração prática.

O funcionalismo
O funcionalismo teve como um de seus criadores o filósofo e professor Willian James (1842-1910) e como berço os Estados Unidos do fim do século XIX e início XX que começa firmar-se definitivamente como uma sociedade capitalista e industrial e mais do que nunca tinha forte apreço pelo prático.
Para o funcionalismo importa responder, “o que fazem os homens” e “por que o fazem”, “qual o papel da mente para o êxito dos organismos ou animais na luta pela existência”. Para responder isso, os psicólogos funcionalistas elegem a consciência como o centro de suas preocupações e buscam a compreensão de seu funcionamento, na medida em que o homem a usa para adaptar-se ao meio. Para W. James, a mente evoluiu com o propósito de dirigir um sistema nervoso levado a tal complexidade que já não pode regular suas atividades por si próprio.
Foi a 1a psicologia “sistemática”: definição + métodos + problemas + classificação dos resultados.
Definição: a psicologia é “a ciência da experiência imediata, consciência ou processo mental”. Experiência: sensações, percepções, sentimentos, emoções etc.
Características:
Anti-estruturalistas;
Ênfase à função e não a estrutura. Dar respostas às perguntas: o que é que os processos mentais realizam? Como trabalha, os processos mentais?;
Ênfase aos valores do bom senso e à prática;
Ênfase à biologia darwiniana;
Inclusão de psicologia animal, da criança, do anormal, diferencial e outras;
Objeto de estudo:
A atividade mental no sentido de pensar, sentir, imaginar, perceber mas voltada para a função de funcionamento do organismo humano. A atividade mental é atividade psicofísica, envolvendo estruturas físicas: sentidos, músculos e nervos.
Problema: Qual a relação entre organismo e meio ambiente? 1o como se exerce a atividade mental, 2o o que ela desempenha e 3o por que tem lugar. Os assuntos psicológicos incluem o conceito de “arco reflexo” e o conceito de “comportamento adaptativo”.
Métodos:
Observação subjetiva ou introspecção: apreensão das próprias operações mentais do observador. Neste caso é o próprio cientista o objeto de estudo.
2o Observação objetiva: apreensão de operações mentais de um outro indivíduo na medida em que se refletem no seu comportamento, de animais, crianças, primitivos e insanos e testes “mentais” (na verdade testes “comportamentais”).Os funcionalistas foram além do indivíduo humano, normal e adulto.
Classificação de resultados:
“todos os estímulos sensoriais exercem certo efeito sobre a atividade do organismo”;
“toda a atividade ... é iniciada por estímulos sensoriais” – é muito difícil, senão impossível, descobrir o estímulo iniciador de muitas respostas. Estas podem ser devidas à estimulação vinda de dentro do organismo, por exemplo, fome, sede e dores internas.
“há um processo contínuo de interação entre estímulos sensoriais e respostas motoras” – toda resposta altera a situação sensorial e assim determina, em parte, a natureza das respostas subseqüentes.
comportamento adaptativo: um estímulo motivador, uma situação sensorial e uma resposta que altere a situação de modo a satisfazer as condições motivadoras. “O motivo é sempre um estímulo” – geralmente interno - e praticamente idêntico ao que alguns psicólogos chamam “necessidades orgânicas”, “impulsos”, “carências”. “Um estímulo relativamente persistente que domina o comportamento do indivíduo até que reaja de maneira a não mais ser afetado por ele”. Um organismo reage à “situação sensorial” como um todo enquanto se adapta a um único aspecto dela. As respostas de um comensal faminto, à mesa, fornecem uma boa ilustração. Finalmente, o comportamento adaptativo supõe uma resposta que modifique a situação sensorial e satisfaça as condições motivadoras.
O funcionalismo afastou-se da visão da psicologia como estudo da mente ou experiência, para se aproximar da visão biológica como o estudo das reações do organismo.

O estruturalismo
O estruturalismo está preocupado com a compreensão do mesmo fenômeno que o Funcionalismo: a consciência. Mas, diferentemente de W. James, Edward Bradford Titchener (um dos criadores) irá estudá-la em seus aspectos estruturais, isto é, os estados elementares da consciência como estruturas do sistema nervoso central.
Definição: Psicologia é a ciência da mente, aquela que pode ser descrita em termos de fatos observados, mas não como um serzinho insubstancial dentro de nossas cabeças.
O método: é baseado na observação de introspecção, e os conhecimentos psicológicos produzidos são eminentemente experimentais, isto é, produzidos a partir do laboratório.
Há um experimentador e um observador nos estudos de laboratório. O experimentador estabelece as condições essências e o observador relata sua “experiência” relatório que é registrado, naturalmente, pelo experimentador. a) atitude em relação à própria experiência; b) experienciar ele próprio; c) relato adequado da experiência em palavras.
Fonte:
KELLER, Fred Simmons, 1899-. A definicão da psicologia. São Paulo, Herder, p.159p., 1970-1974.