31 julho, 2011

A filosofia faz-se pensando

Este é um bom artigo que auxilia os professores de filosofia em suas práticas pedagógicas de sala de aula. Achei importante socializá-lo aqui no Mora na Psicologia. Ele está postado na revista de filosofia Crítica na Rede.
http://criticanarede.com/fil_fazsepensando.html



Um debate de ideias para estudantes da primeira unidade do 10.º ano
Paulo Jorge Domingues de Sousa


Introdução


Terminei o ano lectivo de 1999/2000 pensando que as aulas expositivas não funcionam bem com o 10.º ano da Introdução à Filosofia. Os alunos foram recebidos na disciplina com uma abordagem teórica que a tornou enfadonha e desmotivante, comprometendo tanto a adesão às actividades da aula como a compreensão profunda e intuitiva daquilo que é a filosofia e de quais são os horizontes que ela nos abre, enquanto pensamento crítico interessado em melhorar a nossa compreensão do mundo e de nós próprios. Caí no erro de falar sobre a filosofia, a partir de fora, e poucas vezes a pus em prática. Os resultados foram maus. Com este tipo de trabalho e de resultados, de modo algum se justifica a inclusão da Filosofia no conjunto das disciplinas de formação geral, dando lugar a aulas enfadonhas que ensinam pouco ou nada que se aproveite e que constitui apenas perda de tempo e de energias. Mea culpa. Das conversas que tive com os outros colegas que leccionaram o 10.º ano durante este ano lectivo, deduzi que algo semelhante se passou com as suas turmas. ... Veja mais aqui

15 julho, 2011

17ª CRE Realiza o I Curso de Formação Continuada para Profissionais da Educação

A 17ª Coordenadoria Regional de Educação de Santa Rosa promove entre os dias 18 a 22 de julho, do referido ano, o I Curso de Formação Continuada para Profissionais da Educação. O evento é inédito, pois até o momento, não se tinha oferta desse tipo de ação por parte da Secretaria Estadual da Educação e da Coordenadoria Regional de Educação que reunisse todos os professores e agentes educacionais da Rede Pública Estadual.

Entre a programação do Evento, que contará com palestrantes como o Doutor e Vice-Reitor da Universidade Federal Fronteira Sul Antônio Inácio Andriolli, o professor da Unisinos Raul Pont, a Consultora do Ministério da Educação Danise Vivian e a professora da URI Rosângeloa Binotto.
Acontecerá também, no dia 18, o I Colóquio Sobre Formação Continuada de Trabalhadores em Educação, evento esse desenvolvido em parceria com instituições de ensino superior da Região, Cpers e outras CREs e visa proporcionar o debate e a reflexão de 16 áreas de ensino.

O I Curso de Formação Continuada acontecerá simultaneamente nos municípios de Santa Rosa e Três de Maio. Em Santa Rosa no Centro Cívico e Cultural Antônio Carlos Borges (dias 18, 20 e 21) e no ginásio de esportes do Colégio Salesiano Dom Bosco (dia 19). Em Três de Maio no Clube Buricá (dias 18, 19, 20 e 21). As palestras acontecerão pela manhã, nos horários das 8h30min às 12h e, na tarde, entre às 13h30min às 17h. No dia 22, a formação acontecerá nas escolas.

Segundo a Coordenadora da 17ª CRE Ilse Bamberg, o evento proporcionará a formação dos profissionais em educação na perspectiva de uma educação pública de qualidade social com cidadania. As atividades envolverão cerca de 2300 profissionais da educação.

01 abril, 2011

Secretário da Educação do RS visita Santa Rosa

Foto: Marcela Santos

Em Santa Rosa, nesta sexta feira, secretário da Educação do RS, Jose Clovis de Azevedo anunciou concurso para o 2º Semestre de 2011, como demais ações do Governo. Infraestrutura, formação de professores e fundamentos pedagógicos serão as ações principais da Seduc.

O secretário participou também de uma reunião com os dirigentes das instituições de ensino superior da Região. Ficou acertado que as instituições públicas e comunitárias irão elaborar uma proposta em conjunto para a formação de professores.

Ainda na palestra com lideranças políticas de toda a região, diretores e professores de escolas o secretário fez críticas o GEEMPA por afirmar que alfabetiza crianças em um mês. Segundo o Secretário é preciso respeitar o ritmo intelectual de cada criança. Está sendo pensado o ciclo de alfabetização para crianças de 6, 7 e 8 anos. Nesse período deve ser respeitado o percurso da alfabetização de cada estudante. No final do ciclo os estudantes devem sair alfabetizados. "O Estado não pode terceirizar serviços que lhe é de sua obrigação. É papel da Secretaria da Educação desenvolver e apresentar propostas de alfabetização à sociedade gaúcha", afirma Azevedo.